quarta-feira, 27 de maio de 2009

As loucas baladas dos paulistinhos endinheirados

Ecstasy, cocaína, maconha, champanhe, sexo grupal e muita arrogância. A reportagem da AOL acompanhou uma balada da "Geração $", formada por filhos da alta sociedade paulistanaPor Rodrigo BrancatelliA estudante de Administração Nicole*, de 21 anos, estará daqui a algumas horas desmaiada no quarto 231 do Hospital Alvorada, na zona sul de São Paulo, com a sua calça Gucci suja de vômito e com um cateter na veia por meio do qual ela receberá altas quantidades de glicose para rebater o efeito do excesso de álcool.

Nicole mal irá se lembrar de, no espaço de horas, ter fumado dois cigarros de maconha, tomado um ecstasy na forma de coração e outro na forma das orelhas do Mickey Mouse, bebido uma garrafa inteira de champanhe Möet et Chandon e ter feito sexo com dois garotos que nunca viu na vida.“Comigo tem que ser assim mesmo. Tudo aos extremos”, diz a garota, filha de um conhecido empresário do ramo têxtil. “Gosto de dar para um monte de caras, de misturar Prozac com champanhe, de cheirar cocaína até meu nariz sangrar. E não me importo com a sua opinião moralista, típica da classe média. Tenho dinheiro suficiente para não me preocupar com você ou com mais ninguém. A minha felicidade está na minha conta bancária”, dizia ela ao repórter enquanto se preparava para a balada.

Nicole faz parte de uma geração escancaradamente frívola e preconceituosa, formada por filhos de gente muito rica. É a “Geração $”, como eles gostam de se definir. Têm a vida inteira pela frente e nenhuma preocupação com assuntos que assombram outras pessoas, como falta de dinheiro ou necessidade de escolha de uma profissão para ganhar a vida. Não há limites para eles. O que mais querem é curtir a juventude com o que acham que têm direito, incluindo drogas, sexo e uma boa dose de sentimento de superioridade. “Eu sou o tipo de pessoa que os pobres e a classe média odeiam porque posso torrar R$ 5 mil em um vestido para usar apenas uma vez e depois encostá-lo no armário”, diz Nicole ao repórter. “Não consigo ficar assistindo tevê em casa ou trabalhando em algum escritório estúpido na frente de um computador. Estou acima disso tudo. O dinheiro dos meus pais me possibilita curtir a vida sem preocupações e sem falsos moralismos”.

Enquanto fala da vida, Nicole manda o motorista do seu Mercedes preto se apressar. O relógio Armani no pulso, avaliado em R$ 2 mil, avisa que já passa das 23h e todos seus amigos devem estar esperando furiosos na frente da Disco – conhecida como a balada mais cara e restrita de São Paulo, no bairro de Vila Olímpia, zona Sul da cidade. É sábado à noite, e a noite de São Paulo nem imagina o que Nicole e seus endinheirados colegas vão aprontar.“Demorei porque a besta da empregada esqueceu de passar a minha calça Gucci”, brinca a garota com os amigos ao descer do carro. “Definitivamente não dá para confiar em pessoas de cabelo pixaim.”

Fernanda, filha de um banqueiro que mora no Rio de Janeiro e que mantém apartamento em São Paulo para temporadas, ri escandalosamente da observação da amiga Nicole. Além de compartilhar da visão do mundo, as duas são fisicamente parecidas. Morenas, baixinhas e superproduzidas. “Empregada é uma droga mesmo”, diz a carioca de 20 anos que largou recentemente a faculdade de Publicidade e ainda não decidiu o quê estudará a seguir. Ela veste um modelito exclusivo assinado pelo estilista Alexandre Herchcovitch. “Todas as empregadas são ignorantes. É por isso que elas têm de ganhar salário mínimo. É o valor da suas mediocridades.”

Fernanda está acompanhada de mais três meninas que aparentam ter a mesma idade e de dois garotos já mais velhos, com mais ou menos 25 anos. Todos têm pais ilustres – duas são filhas de empresários bem sucedidos, a outra é herdeira de um fazendeiro do interior paulista, o garoto loiro é filho de político. Apenas um deles é uma incógnita. Seu nome é Carlos, e sua origem nunca foi colocada em discussão pelos colegas. “Um dia apareceu do nada em uma balada, dirigindo um Porshe Boxter e com muitos ecstasys no bolso. Não precisou explicar de onde vem para ser incluído na turma” explica Nicole.

A fila na frente da Disco quase dobra o quarteirão, mas uma nota R$ 50 na mão do segurança é o suficiente para que Nicole e seus amigos a furem. A entrada custa R$ 70 para homens e R$ 35 para mulheres, mas eles desembolsam mais R$ 100 cada um para ter direito a entrar no camarote. “Somos VIP’s, merecemos tratamento diferenciado”, diz Fernanda, enquanto abre uma garrafa de champanhe Möet et Chandon – a primeira de sete que serão consumidas na noitada, ao custo de R$ 120 cada.No camarote, fica mais fácil para Carlos disfarçar uma carreira de cocaína que prepara em cima de uma mesinha de madeira. Os amigos brincam que ele tem o nariz nervoso, não consegue ficar um dia sequer longe do pó. Fernanda percebe o gesto e corre para filar um pouco da droga enquanto Nicole, do outro lado do camarote, amassa a roupa cuidadosamente escolhida com um rapaz mais velho que acabara de encontrar. Dias depois, procurada pela reportagem da AOL, a direção da Disco, por meio da assessoria de imprensa, diria que os clientes pegos com drogas no interior da casa são colocados para fora.Depois de duas horas e R$ 890 gastos em bebidas, o grupo decide deixar a balada e procurar algum outro lugar para terminar a noite. Ou melhor, para começá-la de fato. “Vamos para a minha casa, hoje não tem ninguém lá, meus pais estão viajando”, sugere Fernanda. “Podemos comprar umas bebidas, ligar para uns amigos e fazer a festa lá mesmo. Com quantas pessoas será que eu vou transar hoje?”

A idéia de Fernanda até que foi comportada para os seus padrões. Da última vez que convidou os amigos para ir até a sua casa no Jardim Lusitânia – uma mansão na zona Sul de São Paulo com três salas, sete quartos, duas cozinhas, um pátio que se derrama na parte dos fundos com a piscina, uma edícola destinada aos hóspedes dos donos da casa e, num canto, um canil, abrigo de três cães, dois deles belíssimos huskies siberianos –, ela pagou três prostitutas e dois garotos de programa para animar a reunião. De outra vez, fez uma vaquinha e comprou 100 gramas de cocaína. Tudo foi consumido na mesma noite. Os amigos da garota contam que ela, numa das baladas que deu, fez sexo com três amigos de infância na piscina, ao mesmo tempo, enquanto os vizinhos viam e ouviam tudo.

São quase três horas da madrugada e as pajeros, mercedes e BMW’s começam a se enfileirar na porta do número 482. Em pouco tempo, há cerca de 25 jovens no local. Todos da turma são muito parecidos – os garotos vestem camisa de algum estilista famoso e caro, Herchcovitch, Sommer ou Haten, e calça jeans igualmente exclusiva, mas que pareça estar bem suja. Já as meninas só usam preto, sempre de marca estrangeira, e não desgrudam de suas bolsas Louis Vuitton abarrotadas de ecstasys, maconha e, eventualmente, camisinhas.A festinha particular começa a esquentar com uísque 12 anos misturado com energéticos. Fumaça de charuto e música eletrônica tomam conta da sala principal da mansão de dois andares. Para deixar as meninas mais “soltinhas”, os garotos preparam um drink especial com vodca, suco em pó light e comprimidos de ecstasy picados em pedacinhos microscópicos. Quando elas se derem conta, já estarão dançando coladinhas sem as blusas e dando beijos calientes umas nas outras, no meio da sala decorada com uns poucos móveis antigos, de estilo europeu.

Para a maioria delas, não faz a menor diferença saber se tomaram drogas misturadas à bebida porque a intenção é ficar doidas mesmo. “Essas garotas aí estão loucas para dar”, aponta o estudante de Administração Thomás, de 22 anos, herdeiro de um médico famoso e amigo de longa data de Fernanda. “A única coisa que elas têm para fazer na vida é gastar o dinheiro da família. As mais novas, aliás, são as mais danadas. Eu, por exemplo, transei com muita menininha filha de ‘sei-lá-quem’ dentro do meu Civic ou em banheiros de baladas. Já ‘tracei’ muitas Lolitas Pilles por aí. Thomás se refere à escritora francesa de 19 anos, que chocou o mundo ao descrever tudo o que se passa no mundinho milionário de Paris no seu livro de estréia, Hell. A tradução em português chegou às livrarias do Brasil no final de 2003 e vem ocupando lugar de destaque nas prateleiras das livrarias. Nascida em berço de ouro e patricinha assumida, Lolita Pille passou boa parte de sua vida torrando o dinheiro dos pais nas lojas mais caras da capital francesa, desrespeitando regras de trânsito, enchendo a cara em hotéis de luxo e dançando até de manhã nas boates da moda. Quando se cansou da farra, a garota escreveu 224 páginas denunciando a sua geração da forma mais crua possível. A galera endinheirada de Paris não perdoou. Lolita Pille passou a ser barrada nas baladas VIP’s. "A 200 km/h pelas ruas de Paris, onde não é bom caminhar quando estamos no volante, misturamos álcool com cocaína e cocaína com ecstasy", escreve. "Eu sou um produto da Think Pink Generation. Minha crença: seja bela e consuma. Sou a musa do deus 'Aparência', sob o altar do qual eu queimo alegremente todo mês o equivalente ao seu salário".

Os relatos de Lolita poderiam muito bem ter sido escritos pela paulistana Nicole, pela amiga Fernanda, ou por qualquer uma das meninas que dançam e se beijam sem blusa na sala de estar da casa de piso de mármore claro do bairro paulistano de Jardim Lusitânia. “Entrei numa boate aos 14 anos e nunca mais sai”, confessa a escritora francesa em Hell, numa de suas muitas tiradas infanto-niilistas. “De qualquer maneira, o que fazemos é vergonhoso. (...) E daí? É você quem paga a conta? Enfim, por hora está bom para mim. Minha única preocupação é o vestido que vou usar hoje...”O uso de drogas na mansão de Fernanda é tão disseminado que até cinzas de cigarro chegam a ser confundidas com cocaína – e cheiradas sem que ninguém note a diferença. Num canto da sala, três caras fumam maconha e dividem uma pedra de ice, droga sintética, derivada da anfetamina, que parece um cubo de gelo, sem se importar com a presença de um estranho, o repórter da AOL.

Noutro, duas adolescentes que não aparentam ter mais de 15 anos cheiram um vidro inteiro de B-25, ou cloreto de metileno, mais conhecido como cola de acrílico. E isso sem falar nas cápsulas de efedrina, de efeito estimulante, oferecidas como se fossem balas de goma.Nicole, então, já usou e abusou de tudo nesta festa. E mesmo assim ela ainda quer mais. Em uma só tacada, engole dois comprimidos de ecstasy que estavam jogados em cima da bancada americana, plantada no meio da espaçosa cozinha principal, toda equipada com eletrodomésticos em aço inox. Um comprimido é rosa na forma de coração e o outro azul na forma das orelhas do personagem Mickey Mouse. “Tô bem, tô bem, ainda tô sóbria”, balbucia, pouco antes de tropeçar em uma cadeira e cair estatelada no chão.Dois caras levantam Nicole e carregam o seu corpo praticamente inanimado para uma das suítes do primeiro andar da casa. É o quarto dos pais de Fernanda que a essa altura está chorando copiosamente no banheiro, em uma crise nervosa causada pela cocaína.

Nicole acorda e puxa os dois garotos desconhecidos para a cama, tira as calças e começa a fazer sexo sem se preocupar com os olhares curiosos dos que estão olhando pela porta aberta. O show não dura muito tempo – minutos depois, Nicole levanta correndo e tenta chegar até o banheiro. Em vão. Ela acaba vomitando em cima de um dos garotos, no piso de mármore. Vomita tanto que sai até bile.

“Sério que eu fiz tudo isso mesmo?”, perguntaria Nicole mais tarde, enquanto deixava o quarto 231 do Hospital Alvorada. O braço direito até dóia de tanta glicose que foi injetada na sua veia. Com olheiras enormes, sua amiga Fernanda só tinha forças para responder afirmativamente com a cabeça. “Que saco! Eu sempre apago nos melhores momentos. Mas tudo bem, semana que vem tem mais. Fê, você tem certeza que não foi um plantonistazinho de merda que me atendeu? Porque esses residentes não sabem de nada, ganham uma merreca... Não posso ser atendida por um imbecil qualquer.”

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Na veia



"você não sabe o quanto eu caminhei, pra chegar até aqui, percorri milhas e milhas antes de dormir ... eu não cochilei...os mais belos montes escalei (...) Nas noites escuras de frio chorei (...) A vida ensina, e o tempo traz o tom, prá nascer uma canção, com a fé no dia-a-dia encontro a solução (...)"

"Você tem o jornalismo na veia e fez todas as perguntas que um bom repórter deve fazer", afirmou um jornalista que completou 82 anos hoje. Ele procurou o jornal que trabalho atualmente para conversar e mostrar o trabalho que realiza em Bauru - SP, onde produz um jornal mensal sobre memórias da cidade e é encartado como suplemento de um outro jornal.
Durante uma conversa-entrevista, ele me contou sobre a vida que leva, algumas memórias e falou da atual imprensa, contudo, o que mais me marcou e me fez rever minha vida, embora a visita dele tenha iluminado meu dia, foi que quando ele montou o jornal, uma pessoa disse que não duraria três meses e o suplemento está completando 30 anos.
Me lembrei de que, muitas vezes, me disseram que eu não iria conseguir e todas palavras negativas serviram como impulso para que eu fosse adiante.
Na última semana, uma jornalista que se formou comigo (e não exerce por comodismo) falou que só chegou ao final da faculdade porque uma outra amiga a pegava e deixava em casa todas as noites e as viagens de 40 km - de Poços para São João - se tornaram mais suportáveis. Foi então que eu lembrei que para mim, não foi fácil desde o início.

Sempre soube que queria fazer jornalismo e entrar no curso foi diferente de qualquer coisa que eu já tivesse vivido nos meus 17 anos de vida.
Mas, nem tudo foi fácil. Era difícil não ter um emprego, não poder ir em todas as festas, não vestir as roupas da moda, não acompanhar as demais ´patys´da minha sala, que tinham pais médicos, psicólogos, jornalistas, entre outros.
Meu pai cursou até o 4º ano primário. Minha mãe também. Mas lutaram a vida toda para que eu tivesse um diploma.
Ir a faculdade não era fácil. Como moro há 10 km do centro e na época eu não trabalhava, tinha que pegar um ônibus. Para dar tempo de pegar a van, tinha que sair de casa 17h20, ou seja, não dava pra jantar antes de ir, mas naquela época era bom, ainda dava tempo de tomar banho...rsrsrs
Quando eu comecei a trabalhar, saia de casa antes das 8h e só voltava 00h50, quando a van que eu ia deixava todos os outros estudantes. Eu era a última da turma. A última que ia dormir e talvez a primeira a acordar. Por morar longe, tinha que pegar ônibus mais cedo. Mas, nunca pensei em desistir, em abandonar o curso.
Fiz alguns bicos, trabalhei como monitora infatil em hotel, buffet, entreguei panfletos na rua e outras coisas para ganhar um dinheiro e garantir algumas baladas que eu gostava de fazer, ou comprar alguns livros.
Normalmente eu não comia na faculdade porque o dinheiro não dava para isso.
E assim, os anos de curso foram passando. Entre a sala de aula, o corredor, a biblioteca, o boteco e a van, aprendi MUITO, coisa que muita gente não consegue durante toda uma vida.
Fiz alguns dos grandes amigos que tenho hoje. Outros, não vejo mais e alguns, por falta de afinidade, não tenho mais assunto.
Como sempre fui uma pessoa polêmica e muito desbocada, logo no início fiz as inimizades na classe também e confesso: por alguns momentos pensei em migrar para o curso de Publicidade e Propaganda, coisa que eu poderia fazer até o início do 3º ano, porque as grades eram parecidas, mas, algo mais forte (Deus) fez com que eu continuasse no jornalismo, e óbvio, não me arrependo.
O mais difícil foi o último ano, quando eu trabalhava numa livraria como vendedora faz-de-tudo e fazia o famoso 'horário comercial'. Na hora do almoço eu fazia inglês para não perder o tempo de curso e minha irmã me ajudava a pagar. No restante do horário, quando o movimento era pequeno, aproveitava para estudar e ler (li o quanto pude naquele período, o que me fez ser quem sou hoje e me ajudou a construir minha pequena biblioteca).
Mas, durante a execução do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), pensei que fosse enlouquecer. Tinha tudo para fazer e não tinha estrutura. A loja estava para fechar e não tinha mais computador, energia elétrica, nada.
Entre as lágrimas por ter que abandonar o emprego que eu tanto gostava, a pressão para entregar o TCC e falta de tempo até para tomar banho - acordava as 7h e ficava até a 01h sem tomar banho, ia para faculdade obviamente sem comer e várias vezes, deixava de fazer o horário de almoço para poder cochilar na parte inferior da loja - ainda tinha que resolver o que fazer com uma turma de 15 alunos (inclusive eu) que estava sem transporte para São João da Boa Vista. Eu e minha turma de amigos das vans batemos todos os recordes e fomos expulsos de todas empresas que realizavam o transporte. Nossa bagunça era imensa, no entanto, talvez a unica forma de suportar aquelas viagens após um dia inteiro de trabalho sem surtar.
No último trimestre- o pior - fiquei sem van realmente e tinha que ir de ônibus. Para ir, tudo bem. Ele cobrava até mais barato, mas, para voltar, ele me deixava no centro da cidade e eu tinha que pegar um ônibus do município para chegar em casa, porém, a hora que o ônibus vindo de São João parava no centro, o último ônibus para o meu bairro já havia saído do ponto e a única solução era esperar o último ônibus do bairro ao lado, que saia 00h50 do ponto e chegava no bairro por volta de 01h20. Ai era caminhar cerca de 1km até chegar em casa. Por várias vezes tive medo de fazer o caminho sozinha e ser abordada por um pseudo-marginal que poderia roubar o pouco que eu tinha e liguei para meu pai, fazendo ele sair da cama e ir me pegar de carro no ponto do bairro vizinho.
Quando eu terminei e fui aprovada com 10 no TCC, chorei gritado ao lembrar cada dia difícil, cada banho que deixei de tomar, cada roupa que deixei de comprar, cada festa que deixei de ir, cada coisa que deixei de fazer pelo meu diploma, mas, eu havia conseguido, embora não tenha sido fácil.
No entanto, hoje eu já não lembro mais destas dificuldades, talvez até porque eu tenha outras, mas, nunca deixei de sentir aquele jornalismo correndo nas veias, durante este quatro anos, durante a época do TCC e todas as entrevistas feitas e em cada passo dado na realização do sonho.
Assim que o ano acabou, ficou lá em São João as lembranças do caminho para o sonho e na memória uma outra parte.
Na colação de grau (foto) pude ver, pela última vez, a turma toda reunida. Não sei o quanto cada um caminhou para estar ali, colando grau, recebendo um diploma, jurando em nome de uma profissão.
Aquela foi também a última vez que vi minha melhor amiga (vide último post), que me ajudou a caminhar na busca do sonho. Algumas lembranças se foram, pra sempre, junto com ela.
Na sequência, fiz uma entrevista de emprego em São Paulo na área de Publicidade e outra em Poços, num jornal.
Na de São Paulo fui bem recebida e o emprego era meu. Na de Poços, aquele que seria meu patrão por dois anos me olhou nos olhos e disse: 'Você não é jornalista'. Eu sustentei o olhar e respondi: 'Sou e vou te provar que posso ser bem melhor do que isso'. Acho que provei. Talvez não pra ele, mas para mim mesma. Provei que poderia ser muito mais do que aquilo. Muito mais do que uma recém-formada querendo aparecer, querendo as 'glórias' televisivas, querendo aparecer.
Provei para muitos que o jornalismo corria nas veias. Inclusive para uma professora, que certo dia, me disse que eu não era competente. Essa mesma, um ano depois que eu estava formada, me convidou para uma palestra na faculdade sobre jornalismo literário. Eu fui. E provei para mim, novamente, que o jornalismo estava ali para ser vivido por mim mesma, por quem estivesse disposto a questionar e mudar as coisas.
Por dois anos, fui repórter de várias editorias naquele jornal, inclusive na de polícia, que eu fugi de ser e relutei durante tanto tempo.
Durante aqueles dois anos, vivi tudo que eu poderia viver como repórter de um jornal impresso do interior. Até coisas inimagináveis, mas, aprendi muito.
Aprendi com os desafios que me foram impostos, com as vezes em que um não me foi dito, todas as vezes que eu pensei que não conseguiria e o resultado foi melhor que o esperado.
O melhor, inclusive, foi como na época da faculdade, não ter abaixado a cabeça diante do que impunham, não ter desistido quando parecia impossível continuar. Foi aí que me enxergaram, aí que me viram como sou, aí que meu talento se revelou e quanto mais eu fiz, melhor me tornei e mais espaço conquistei.
Mas, mais uma vez, tudo que vivi ficou naquele passado de dois anos.
Agora é uma nova etapa. Não menos proveitosa. Aprendo a cada dia, com novas dificuldades.
Porém, observando muitos jornalistas de hoje, vejo que a maioria não tem a garra necessária para seguir adiante. 100% não passaria pelo que eu passo (ônibus lotado, marmita amassada, salário baixo, jornadas longas) para ver, no fim do dia, a matéria pronta, no outro dia, a glória da manchete que dura só até a próxima edição e para sentir, todo os dias, em cada nova pauta, em cada nova possibilidade de matéria, em cada entrevista, cada pergunta, cada questionamento, cada fotografia, cada letra digitada, cada texto, o jornalismo pulsante na veia, que bate mais forte do que a vontade de ir embora cedo, de sair, de ter um programa normal, de ignorar uma cirene que passa, de fazer qualquer outra coisa, porque reportar a vida e o mundo é mais importante !

O jornalismo é algo que está na veia

Eu odeio uma frase, que se eu disser alguma vez na vida você me interna: 'Quando eu era repórter...' Quando eu 'era', não: eu sempre vou ser repórter" (Paulo Vinicius Coelho)


O texto, escrito com pressa e as vírgulas totalmente fora do lugar são de uma repórter (jornalista-por-formação, sim !) que, apesar de tudo, ainda acredita. E os punhos cerrados e um sorriso no rosto porque a luta não para !

PAZ.
Jéssica Balbino

terça-feira, 12 de maio de 2009

"no fim, você não vai encontrar quem procurava...

...e sim, que estava esperando por você".

É mais ou menos isso que eu pensei hoje, quando me lembrei quando conheci o Matheus.

Ou melhor, como ele me encontrou no orkut de uma amiga, e me adicionou dizendo que lembrava de ter me visto na academia do clube e na faculdade.

Pois é... ele pediu meu msn, começamos a conversar, a nos falar na faculdade, descobri que ele mora perto de casa, começamos a ir embora juntos conversando e hoje estamos juntos.


A sensação que eu tenho é muito boa, e ele me deixa bem.

O amor não tem desesperos, angústia;

O amor não é louco e obsessivo;

O amor é o contrário de todas as coisas ruins que eu já senti quando julguei que amava;

O amor é a simplicidade devastadora que você não encontra em qualquer lugar.


E eu encontrei em uma pesso que eu mal dei atenção no início, e que eu não queria nem conhecer, uma pessoa incrível, na qual eu me arrependeria amargamente de ter julgado sem ao menos ter dado uma chance.
ps: Jehhhhh saudadee absurda!!!

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Leia (!!!!)*

Segue, abaixo, um texto do Arnaldo Jabour. Ótimo. Vale a pena ler e parar pra pensar. Mas não pense muito...

Antes de colocar o texto, deixo um recado para a pessoa que sempre comenta nos posts do nosso blog. No meu último ela escreveu: "Seus amigos estão certos, não se deixe abater. Em outro post você disse ter ido a um culto. Presumo que talvez você creia na vida após a morte e na eternidade do ser. O que são alguns pequenos aborrecimentos para alguém destinada à imortalidade e à eternidade? Com o que se compra o infinito? Nada vale tanto. Quanto aos seus irmãozinhos que lhe aborrecem, você mesma disse em outro post, ore por eles. É nisso que você acredita não é? Ou não? Hamlet...". ADOREI e concordo com você. Obrigada por sempre ler nossos post malucos e comentar. Sei que muita gente lê o que postamos aqui, mas não comentam porque preferem dizer que não acessam. Ou então acessam mas preferem não comentar! *rs




R E L A C I O N A M E N T O S




"Sempre acho que namoro, casamento, romance tem começo, meio e fim. Como tudo na vida. Detesto quando escuto aquela conversa:
- 'Ah, terminei o namoro... '
- 'Nossa, quanto tempo?'
- 'Cinco anos... Mas não deu certo... Acabou'
- É não deu...?Claro que deu! Deu certo durante cinco anos, só que acabou.
E o bom da vida, é que você pode ter vários amores.
Não acredito em pessoas que se complementam. Acredito em pessoas que se somam.
Às vezes você não consegue nem dar cem por cento de você para você mesmo, como cobrar cem por cento do outro?E não temos esta coisa completa.
Às vezes ele é fiel, mas não é bom de cama.
Às vezes ele é carinhoso, mas não é fiel.
Às vezes ele é atencioso, mas não é trabalhador.
Às vezes ela é malhada, mas não é sensível.
Tudo nós não temos. Perceba qual o aspecto que é mais importante e invista nele.
Pele é um bicho traiçoeiro. Quando você tem pele com alguém, pode ser o papai com mamãe mais básico que é uma delícia.
E às vezes você tem aquele sexo acrobata, mas que não te impressiona...
Acho que o beijo é importante... E se o beijo bate... Se joga...
Se não bate... Mais um Martini, por favor... E vá dar uma volta.
Se ele ou ela não te quer mais, não force a barra. O outro tem o direito de não te querer.
Não lute, não ligue, não dê pití.
Se a pessoa ta com dúvida, problema dela, cabe a você esperar ou não.
Existe gente que precisa da ausência para querer a presença.
O ser humano não é absoluto. Ele titubeia, tem dúvidas e medos, mas se a pessoa REALMENTE gostar, ela volta.
Nada de drama.
Que graça tem alguém do seu lado sob chantagem, gravidez, dinheiro, recessão de família?O legal é alguém que está com você por você. E vice versa.
Não fique com alguém por dó também.....Ou por medo da solidão. Nascemos sós. Morremos sós. Nosso pensamento é nosso, não é compartilhado. E quando você acorda, a primeira impressão é sempre sua, seu olhar, seu pensamento.
Tem gente que pula de um romance para o outro. Que medo é este de se ver só, na sua própria companhia?
Gostar dói.
Você muitas vezes vai ter raiva, ciúmes, insegurança, ódio, frustração. Faz parte. Você namora um outro ser, um outro mundo e um outro universo. E nem sempre as coisas saem como você quer...
A pior coisa é gente que tem medo de se envolver. Se alguém vier com este papo, corra, afinal, você não é terapeuta. Se não quer se envolver, namore uma planta. É mais previsível. Na vida e no amor, não temos garantias.
E nem todo sexo bom é para namorar. Nem toda pessoa que te convida para sair é para casar. Nem todo beijo é para romancear. Nem todo sexo bom é para descartar. Ou se apaixonar. Ou se culpar.
Enfim... Quem disse que seria fácil? Se não quer sofrer...então não se apaixone, não se envolva, não ame, não VIVA....apenas vegete".




Aêêê! Bão demais, não?!

















sexta-feira, 8 de maio de 2009

IDENTIDADE(S)







Sou dois mundos.
Isso já foi acordado.
Uma eu sou leve, alegre, amiga, disposta...
Agora a minha outra eu,
aquela que raras pessoas conhecem,
aquela que várias vezes elouquece
e desabafa nos textos verdades inquestionáveis,vontades embaraçosas, segredos só seus;
essa já não é tão feliz.
Não, ela não é feliz.
Não na maneira convencional estabelecida.
Não no senso comum.
Ela é qualquer outra coisa menos sorriso,
menos fachada, menos ombro amigo.
Essa é sozinha, mas às vezes ela sorri, sim.
Sorri quando coloca pra fora aquelas bobagens
que todos devem pensar,
mas não chegam a verbalizar.
Surtar.
A minha eu desenquadrada se dá ao luxo de surtar.
Não se acanha com possíveis pensamentos
e nem pensa em servir de exemplo pra ninguém.
Que se dane ninguém!
Ela é livre, assim como a minha eu
tão feliz gostaria de ser.

A liberdade inexistente sem a limitação necessária pra viver em sociedade.
Às vezes, como hoje, por exemplo,
bate uma tristeza tão grande,
uma vontade tão desesperada de chorar
e gritar e uivar as minhas penas...
Mas não dá. Não posso assustar os que me rodeiam.
Não tem ninguém aqui que possa me consolar
sem me cobrar a alegria que tanto parece comigo.
Existem só essas brigas de eus,
onde não importa quem ganhe,
eu sempre perco.


Autora: Mel Adún (Fonte: Cadernos Negros 31)

clique na imagem!


domingo, 3 de maio de 2009

E nesse dia

se o mundo acabar, não vou ligar pr´aquilo que eu não fiz !!!

O post de hoje não vai para as minhas outras grandes amigas Nath e Dany, mas para a Anita, que se foi e que me faz tanta falta. Alguém que hoje eu já não tenho mais a chance de abraçar e dizer que amo muito.



Para a Anita:

Se o tempo parasse, ou mesmo se eu pudesse voltar, talvez faria tudo diferente, talvez não. Mas, o únio poder que temos é viver o presente, e desde que você se foi, tento vivê-lo de uma forma diferente.
Costumo dizer que só quem já perdeu um amigo sabe como eu me sinto. Só quem já viu o melhor amigo ir embora e não pôde fazer nada, tem a exata noção da dor, do sentimento, da saudade, da vontade de mudar tudo e poder dizer mais uma vez o quanto ama, de dar mais um abraço, de fazer mais perguntas, de estar perto mais um instantezinho, de fazer mais uma ligação, de mandar mais um e-mail, de deixar mais um scrap, de externar tudo aquilo que sentimos.
Até hoje não tive coragem de deletar o seu nº de telefone do meu celular, embora eu saiba que eu possa ligar a vontade, você nunca mais vai estar do outro lado para me atender !
Se a gente tivesse, em todos os momentos, a consciência de que o amanhã não existe, aproveitaríamos mais as pessoas que amamos.
Anita, sinto sua falta e o que mais dói é saber que algumas lembranças eram só nossas e agora, são só minhas, sem ter com quem dividí-las...dói saber que elas vão sumir no tempo ...


que já se foram dois anos sem você e a tendência é que o tempo cresça, junto com a saudade... mas o tempo passa, a falta que você faz, não ....
tenho saudade da gente jogando conversa fora, fofocando no meio da aula, trocando arquivos e fotos no msn, deixando recados uma no caderno da outra, saudade dos biilhetes em forma de diálogo, descendo a ripa nos professores...
tenho saudade das msgs no cel, só pra dizer que era amiga, que sentia saudade, que queria estar junto...
tenho saudade da amiga que tive durante os quatro anos de faculdade...
sinto falta da gente dividindo o lanche nos intervalos das aulas, da gente brigando pra resolver o sabor do salgadinho que íamos comprar e contando as moedas no caixa...
tenho saudade da gente tomando açaí na sorveteria, comendo bolinha de queijo (e jurando que nunca mais íamos comprar) no escondidinho e vendo os meninos 'horríveis' jogando bola...olhando a piscina do 'escondidinho' e falando sobre os sonhos que tínhamos para quando acabasse a facul.
Hoje, me sinto interrompida por não poder falar contigo sobre aquelas sonhos, reviver as lembranças, sonhar mais para o futuro...
sinto falta da gente atrás da cantina dividindo a esfiha, o lanche, o suco, as bebidas, as garrafas de vinho...falando dos amores, das desgraças, dos sofrimento, dos livros lidos, dos que ainda íamos ler, daqueles que prometemos escrever...
tenho saudade de discutir jornalismo com vc e saber que vc ia me ensinar, eu ia brigar, bater o pé pelo meu ponto de vista e a gente ia chegar num consenso sobre o realmente era ...
tenho saudade da gente na biblioteca arrumando os livros e a síndrome de livraria que eu tinha...
sinto falta da gente falando sobre as mensagens subliminares, ...tentando encontrá-las nos potinhos de iogurte...
tenho sentido muita falta da gente discutindo sobre nosso livro, as entrevistas, o formato que ele teria, o que viria, o que seria ...como seria...como ficaria ...
tenho saudade dos nossos sonhos de crescer profissionalmente e pessoalmente...
sinto falta de te contar sobre minha vida, meus amores, meus dramas ...falta de ouvir sobre tua vida, teus amores, teus dramas....tuas dores...
tenho saudade de chegar no corredor, te esperar pra ir tomar água, voltar gastando o chão do corredor em frente a biblioteca...
sinto falta da gente brigando pelo queijo da pipoca, eu enchendo o saquinho de pimenta, a gente discutindo...
tenho muita saudade da gente brigando por tudo, mas sem sair uma ao lado da outra...
sinto falta não só destas pequenas coisas, mas da cumplicidade que existia...de saber que eu poderia brigar, xingar, espernear e vc fazer o mesmo, mas estaríamos uma ao lado da outra, sempre, pra sempre....
sinto falta da gente correndo atrás da formatura, da gente chorando quando destruíram nosso sonho, da gente, mesmo assim, indo atrás do que queríamos...
tenho muita saudade da gente bebendo no bar, na esquina, atrás da cantina, lá em casa, em SP...
sinto falta da gente no pagode, no forró....das merdas que a gente fazia, das besteiras que falávamos, das brincadeiras toscas de todo dia....
das piadinhas mais toscas ainda...dos ataques de risos...da gente dormindo nas salas vazias...da gente estudando (fingindo né) pras provas...do medo de pegar exame..do nosso trabalho de rádio (iiii..vai, vai vai...), dos inúmeros e sem números de trabalhos que fizemos juntas e mandamos muito bem em todos...porque éramos fodonas né ...
sinto falta das nossas aventuras, principalmente em SP...afinal, que mais iria pra capital comigo, sem conehcer nada, sem dinheiro, subiria o morro da favela, andaria de trem, metrô, busão, a pé, de camelo, sem saber pra onde estava indo?!
Sinto falta da vassoura de R$1 real da galeria..dos banheiros sujos que a gente entrou e fotografou...tenho saudade das merdas que a gente falava a todo instante, do anto que a gente xingava os outros...dos nossos relatórios detalhados sobre a roupa e o estilo de Deus e mundo
(tá, as mais gatas né..rsrs) ...
sinto falta da gente comprando mil reais de muamba num único dia em SP...indo e vindo no meio dos camelôs um dia todo...
tenho saudade da gente morando no Museu da Língua Portuguesa e pegando as palavras da mão...
tenho saudade dos planos que fizemos de voltar lá...
morro de saudade de lembrar contigo qdo vc caiu dentro da água no Caminho da Fé e disse pra eu ter cuidado...
da gente andando 200 km a pé naquele dia e xingando tudo e todos, mas no final, correndo, se abraçando e fotografando...acho que foi a primeira coisa que conseguimos juntas...
lembro dos segredos que eram revelados..do medo de não haver compreensão ... mas sempre havia...
sempre havia um sermão, um xingatório e um abraço amigo depois....havia um ombro onde as lágrimas eram sufocadas...haviam abraços de amigas mesmo, daquele que eu sinto tanta falta hoje ...
lembro da gente xingando patrão, patroa e o cacete...querendo mudar de vida... indo em busca dos sonhos...
lembro da bosta que era ir pra facul nos dias que vc faltava...do tanto que eu tinha vontade de te matar quando vc num ia e te xingava quando te via no outro dia...
aafff...kbça...tenho saudade qdo vc me cutucava na aula e falva 'fala kbção' ...qdo vc se unia com a minha mãe pra me xingar....qdo vc se unia com meu cunhado pra fumar ....qdo as gêmeas pulavam no teu colo e te chamavam de 'titia' e agora..quando elas vem me dizer que o 'jornalismo é só teu titia' ...
cacete ....que saudade da porra da gente e de como éramos amigas... porque você foi única. Ninguém te substitui !

Para sempre !






"Se eu ousar catar, na superfície de qualquer manhã, as palavras de um livro sem final, sem final, final (...) Valeu a pena"


E se eu pudesse, hoje, te daria mais um abraço e falaria mais uma vez que te amo, tanto !

sábado, 2 de maio de 2009

nome e coração fora do comum...


Tá certo...

Eu sempre gostei de loiros, e essa definitivamente não foi uma excessão.

Ele é uma graça! Loiro e com os olhos claros...

Mas o que mais me chamou atenção, não foi estético (depois de conhecê-lo obviamente), foi sobre como eu ouvi seu coração falar.

O garoto do nome estranho, agora é aquele que fala transbordando tudo o que vem de seu coração.

Uma pessoa boa, sem maldade nas palavras, e sem terceiras intenções. Daquelas que você se apaixona no mesmo instante em que conhece, que faz questão de saber de todas as coisas, que fala com todos os seus amigos, e que gosta de ficar conversando com você por mais que esteja perdendo uma aula de matemática das brabas!


E ele tem uma namorada! Oh Deus, essa é a pior parte!


Falando assim até parece que estou mega apaixonada nele... Mas devido a tantos traumas e decepções que esses homens me causaram, prefiro só elogiá-lo e ir alugar uns filmes pra assistir em casa com esse tempinho de merda.


Passem bem, e divirtam-se muito crianças.

terça-feira, 28 de abril de 2009

o garoto com nome diferente...

Tudo começou no meu segundo ano de faculdade...

E lá vai Dani subindo as escadas para encontrar seu ex namorado (que fez ela sofrer a beça por sinal (ok, também fiz ele sofrer, confesso!) mas enfim...) e quando ela termina de subir a escada, que dá exatamente no primeiro andar, dá de cara com a janelinha de vidro acima da porta e vê um garoto loiro que olha por acaso. Ela obviamente se vira e continua andando, mas não esqueçam... ela reparou nele!

Um ano se passou, a Dani bobona parou de falar com seu ex (um verdadeira alívio), mas continuava sempre vendo o menino loiro pelos corredores e na hora da saída.

É claro que toda a pessoa que vai passando por experiências traumáticas, chega em um dia e diz "putaqueopariucaralho viu! vou extravasar!", poizé! E foi exatamente neste dia que eu (Dani), passei a falar "Oi" pro garoto loiro e misterioso que eu tanto passei a reparar nas raras vezes em que o via passar por mim.
Na primeira vez respondeu o meu oi com cara de "CARAMBA! ESSA GAROTA ME DISSE OI?!", e nas outras vezes foi correspondendo aos meus olhares e "olás" com mais naturalidade.

Em um belo dia quando o céu amanheceu azul e Dani suspirando, passei pelo corredor (onde ele estava encostado na fila do caixa eletrônico), e fui falar "oi" para dois amigos que passavam por alí... quando me virei e dei um beijo para cumprimentá-lo, e claaaaro que ele não entendeu bulhufas, mas fez cara de quem gostou (ponto pra mim, YES!) disso .

Enfim... um belo dia, pensando em como puxar assunto (já que eu só o via rapido por aí), tive a brilhante idéia de escrever meu msn em um pedaço de papel e pedir para algum amigo meu entregar pra ele na saída. (BINGO!)

Meu amigo não só entregou, como falou m
eu nome, sobrenome, meu curso, o ano em que eu estou na faculdade (só faltou o CPF e RG!) e eu me escondendo pro cara não me ver. Juro que me senti com 12 anos, mããããs... acreditem, essas coisas acontecem comigo, com 21 anos!
Bom... deprimente ou não... o cara me add com o msn da irmã dele... (que descobri porque entrei no orkut e procurei pelo nome e enfim...) conversamos algumas vezes, e quando encontrei o orkut dele queria morrer quando lí aquele famoso "NAMORANDO" embaixo do nome (muito exótico por sinal) do garoto que eu taaanto reparava já iam fazer 2 anos!!!
"MERDA! MERDA! MERDA! SERÁ QUE TODAS AS PESSOAS INTERESSANTES NAMORAM?!" eu pensava enquanto falava com ele no msn.

Não tenho do que reclamar, porque o cara foi suuuper legal comigo e puxou assuntos mega simpáticos. E quando eu disse que vi no orkut que ele tinha namorada então... o cara me chamou até de "amiga" pra me respeitar meu!!! Vê se pode! Mas depois veio dizer que queria conversar comigo na facul.

Dito e feito... ontem conversamos na saída. POr 5 minutos porque ele ia pegar a van... mas foi um papo super saudável de quem acabou de se conhecer né.

"Oiiii fulano, tudo bem?"
"Oiiii Dani, td bem sim e vc?"
"Tudo tbm.................."
"Ahhh desculpa, eu add vc no msn da minha irmã pq to sem... vou fazer outro ta bom?!"
"
Ahhh magina... de boa..."

e enfim...
hoje conversamos no msn AGAIN...
e foi mais ow menos assim:

Dani diz:
Hey garoto.. vc é super gente boa! adorei falar com vc!"

Ele diz:
"Eu tbm garota. só não entendo como uma menina tão linda não tem
namorado!"

Dani diz:
"Simples... deve ser pq os interessantes namoram."

Ele diz:
"Pode ser que ele namora porque não te conheceu antes!"


"Boa Teoria!"


*Peraí moço! eu disse "interessantes"...PLURAL... aaaah, deixa pra lá... acho que
entendi...*

E depois dessa maré de indiretas mega diretas... fiquei sem nenhuma reação...
tanto que meu bloqueio me pegou hoje e vi ele por duas vezes e NÃO CONSEGUI ir dizer nem um "oi" ! Fingi que não vi na cara dura pq tenho esse maldito bloqueio com pessoas que acho interessante!

Eu queria tanto dizer que queria ter ido falar com ele hoje, como o combinado!
Queria tanto deixar um depoimento no orkut (daqueles "NÃO ACEITA!!!") dizendo pra ele que queria ter trocado aquela idéia que combinamos hoje a tarde, e que eu não sou tão esnobe quanto ele deve pensar. Mas e se a namorada tem a senha?! E se ela vê?! .... Não Não, melhor não!

Deixa ser...
Amanhã é outro dia pra tentar não ficar arrependida!


SAI BLOQUEIO!!!



quinta-feira, 23 de abril de 2009

NÃO ABANDONEM O BLOG!

E TUDO anda acontecendo nesse tal meio do NADA, digamos. Vitórias?
Não, não. Derrotas que me fazem só aprender.

A cada olhar algo se revela. Nesse fundo dos seus olhos tristes e cansados de esperar, sinto e percebo o insensível ao caos diário dos nossos dias.

E quando paro pra sonhar. AHHHH quando paro pra sonhar meus pés flutuam, estou ao seu lado, estamos em silêncio e nada mais é preciso, nos completamos e esse silêncio é meu verdadeiro tesouro.

Porque a vida é muito simples, tão simples que o nada me completa. O nada.

E a ternura dessa simplicidade toda é tão mais sublime...
Clarice Lispector

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Intelectual, Palhaça e Pé de Cana...


Ontem eu, Nath e Martinha entramos no laboratório de informática da faculdade para imprimir um trabalho da Nathalia, aproveitando que meu pai (que trabalha lá) estava no comando dos computadores.

Chegando lá, surgiu um assunto entre eu e a loira intelectual:


"Nath, você vai mesmo pra São José com a gente né?"


"Não sei prima, tô mais dura que tudo nesse mundo."


"Ahhhh, vamo siiiiim, pelo amor!"


"Só vou se receber o dinheiro do programa."




Pasmem!


Quem estava de fora pensou que aquela loira, alta, sensual, de cútis européia por um acaso poderia fazer programa? Rezemos para que não.


Mas o resultado disso foi a nossa troca de olhares quando percebemos a ambiguidade na frase, e muita risada.




E se não bastasse essa "nobre" cena (típica da nossa pagação de micos UNIFAE), Martinha convidou meu pai para ir ao rodeio lá em São José com agente, e terminou dizendo em alto em bom som (alto e bom demais por sinal):




"Vai lá pra você comer a lasanha da minha mãe...


A LASANHA VIU, NÃO A MINHA MÃE"




Ok, ok, queridos alunos que frenquentaramo laboratório de informática aquele dia... NADA É O QUE PARECE ! Entendam que não somos aquelas amigas típicas de faculdade, que tem uma conta bancária gordíssima, que falam só de esmaltes, roupas do momento e carros novos.


Somos simplesmente quem somos, e gostamos de fazer aquilo que nos deixa bem...




E não é que saindo do laboratório dei de cara com um amigo que olhou para nós três e soltou um:


"Pra variar, lá vem o trio".




e SIM... eu AMO minhas amigas!!!


(vc tbm viu Jehhhh)




Por hoje é só!


quinta-feira, 9 de abril de 2009

EMOÇÃO!

Este post será super comovente, pois tenho uma coisa incrível para dividir com vocês;

É algo que atualmente não sai da minha cabeça, e eu preciso compartilhar com aqueles que de alguma forma estão todos os dias passando por aqui e prestigiando o nosso blog.









RONALDO!








terça-feira, 7 de abril de 2009

E hoje? É hoje?


Hoje fiquei sem internet aqui no trabalho (culpa da telefônica) e comecei a ler o livro que a Jeh havia me mandado por msn uns dias atrás, o fantástico "Ele simplesmente não está afim de você". E eu simplesmente estou muito a fim de devorá-lo até o fim.


Coincidência ou não, hoje de manhã enquanto me arrumava para trabalhar, fiquei assistindo Ana Maria Braga, e estava passando uma matéria cheia de depoimentos de homens, na faixa de uns 27 anos mais ou menos, dizendo o que eles não gostavam nas mulheres. E as respostas foram as mesmas de garotos de 17 anos:


"Agente fica uma vez, e a menina ja quer casar. No outro dia fica ligando e é um porre."


" A menina ja faz mil planos, sendo que fiquei só uma vez."


" Odeio quando elas bebem, sobem na mesa ou ficam dançando loucamente na balada."


" Odeio mulher que fica dando em cima, todas estão muito fáceis."


aí perguntaram para eles o que eles faziam para se desfazer delas, e eles responderam:


" Não atendo o celular. Nem retorno as ligações."


" É só ficar com uma amiga dela."


PASMEM!!!


Nunca pensei ouvir isso de homens de 27 anos ou mais.... (na verdade já vi piores com mais de 30... então estou mentindo)

Ao invés de "Homem não chora", o Barão deveria ter escrito "Homem não cresce, nem por dor, nem por amor." E pra que iriam crescer, se eles ficam com essa vida boa de aproveitar e enganar?



Mas resumindo...


Homens não gostam de mulheres que dançam, bebem, e se divertem na balada, completamente independentes, mas também não gostam das fofinhas e meiguinhas... Então só posso deduzir que eles queiram uma mulher MUDA.


Okeeey rapazes....


Fiquem com uma boneca inflável.


;)






Comemorar? o que mesmo?














Hoje é o Dia do Jornalista, mas para comemorar o que?
Os salários abaixo do piso? As jornadas muito acima de 5h diárias? As ameaças recebidas? A competição de mercado com quem não tem um diploma ( e não por falta de recursos mas por falta de interesse)?
Seria um dia para comemorar a liberdade de imprensa, a liberdade de expressão. Contudo, volta-se a velha ‘liberdade de empresa’ e que ao meu ver não chega nem perto de ser tão ruim como a falta de liberdade de expressão.
Comemorar as ameaças recebidas do Poder Público? ‘se você falar qualquer coisa que denigra minha administração eu corto os investimentos !’
Comemorar uma verdade que é maqueada ou ignorada diariamente a favor do dinheiro no bolso (dos patrões, é claro).
Comemorar o valor de uma mensalidade que é mais caro do que o piso que muitos estados pagam e que todos os patrões sequer imaginam pagar?!
Ganha-se menos do que se gastou para estudar. Existe motivo para um Dia do Jornalista?
Jornalistas que devem se calar por pressão, opressão e nunca por vontade própria, mas que alguns mais ‘espertos’ se vendem e calam-se espontaneamente para garantir o salário-miséria no fim do mês.
Como podemos comemorar uma data assim quando muitos com diploma na mão, pós-graduados estão ganhando salários mínimos (quando estão empregados, obviamente), escrevem muito bem, sabem apurar como ninguém e devem se sujeitar aos padrões para ‘não perder o emprego’.
Seria mesmo um emprego? Seria isso que todos os profissionais sonharam quando preencheram a ficha de inscrição do vestibular de uma universidade que oferece mais 10 outros cursos?!
E a Assessoria da Empresa? Porque de Imprensa é utopia, né?! O papel dos assessores tem sido dificultar o trabalho da imprensa e maquear, esconder (óbvio) tudo que possa ser de interesse público.
Poderia ou deveria culpa-los? O caminho se torna único quando as redações (de jornal, TVs e rádios) se tornaram reduzidas a quase-nada e os salários inferiores aos mínimos.
E cadê o jornalismo correndo nas veias no lugar do sangue?!É frustrante saber que muitos preenchem uma inscrição de vestibular porque querem e A-D-O-R-A-M ‘aparecer na televisão’, mas desconhecem o que é um dia-a-dia e tampouco sabem o que é uma notícia, quem dirá produzi-la e leva-la ao conhecimento do público.
E a pergunta – típica de jornalistas de verdade – persiste: o que comemorar?

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Era uma vez uma BROA DE AMENDOIM

Se acalmem!
O título não é de nenhuma perseguição policial por drogas, ou muito menos uma sessão de descarrego com muita macumba pega por policiais. (essa foi boa vai)

Níver do Pedrão

Tudo começou no sábado (dia do níver do Pedrão - amigo de fé, irmão camarada) onde iríamos nos reunir na casa do nosso nobre amigo para festejar seus cumpleaños!
Peguei Martinha na rodoviária as 19 horas e fomos pra casa comer alguma coisa e zarpar para o supermercado, afim de comprar chapéizinhos, velinhas, e até um bolinho básico como surpresa.

Azar

Pra começar a maré de azar...
Demos de cara com o Pedro e TODA a galera voltando do supermercado.
Martinha (se achando a Olívia Palito) deu um salto pra esconder dele atrás do poste, o que fez com que todos rissem muito ao ver a cena.
"Martaaaa, onde é que vc estava com a cabeça quando achou q o Pedro não ia te ver?"
(eu ri)

Como se não bastasse, dissemos pra irem embora esperando agente, enquanto íamos comprar cerveja pra doar nossa parte da festa (ainda com a inteção de comprar surpresinhas), quando a Marta me diz pro Pedro: "Ahhh agente ia comprar chapéuzinho e tudo o mais pra levar de surpresa." (e eu querendo matá-la)
Enfim...
Fomos no mercado, compramos um fardo de cerveja, velinhas, (e como o bolo era muuuuito caro) compramos uma BROA de AMENDOIM!
No caminho fizemos a besteira de enxer bexigas, e como não tinha onde levar tudo em apenas 4 mãozinhas, tinha bexiga até na minha boca!!!

Acendendo a Broa

Então paramos na esquina da casa dele, e a Martinha (com muito custo) socou as velas na Broa, e ela se quebrou em mil partes. (ta achando engraçado? até aí ainda tava sussa, o pior vem agora).... Deu o que fazer pra ela acender as velas, e quando fez isso, a vela tombou e a sacolinha embaixo da broa pegou FOGO!

E em uma visão Matrix...
vi a Marta gritando, jogando tudo pra cima, e a vela caindo com a broa e espatifando no chão em mil pedaços.

Conclusão: Ficamos com uma broa partida em mil pedaços e sem contar as velas tbm...
E acredita que ainda comeram a Broa ???

e depois ainda perguntam porque eu sou só sorrisos...
hahahaha


REINVIDICAÇÃO
Poxa... sempre recebo apenas 2 comentários nos meus post...
gente! Comenta no meu tbm, sou super legal, gente boa, morena, alta, bonita e sensual.
Prometo ser fiel e amar vcs por toda a eternidade!

sábado, 4 de abril de 2009

você não sabe o quanto eu caminhei...





...pra chegar até aqui !
É interessante pensar e filosofar que a vida é um caminho eterno e que vamos passando, observando, fazendo paradas e seguindo adiante sempre, sem a MENOR noção de onde tudo isso vai parar.
Sei o que eu quero: QUERO TUDO !E o meu tudo significa: O MELHOR de tudo !
Não me contento com as migalhas, com os mais ou menos, com o talvez. Quero o sempre, o agora, mesmo que não seja todo dia.
tô poética e confusa hoje para dizer que estou de plantão, que não tem merda nenhuma acontecendo no setor policial e eu to com uma preguiça da porra (típica em dias nublados de outono como hoje)..
Sonhei a noite toda com o Topzão (aaaiii mariiido) e a respectiva, além de tráfico de drogas no busão e tudo mais. Afffiiie, preguiça de ficar resolvendo esse tipo de coisa no meu subsconciente.
Quero ler 'Crime e Castigo' e também 'Os Miseráveis' e dissecar um pouco de leitura culta, porque as experiências sexuais do Luiz Mário tem me cansado um pouco.

"Estou de passagem nesta vida. Estamos todos. por que não dizer o que se quer dizer?" (Marcelo Rubens Paiva)

sexta-feira, 3 de abril de 2009

A.A.B.N. Alcólatra Anônima Bosta nenhuma!


Idealizem uma pessoa bêbada, muito bêbada.
Idealizaram?
Pois é. Eu vivo isso neste momento da minha vida.

Boa Tarde, meu nome é Dani.
Todos em coro: BOA NOITE DANI.
Eu estou a exatamente 9 horas sem beber!
Todos em coro: clapt, clapt, clapt! (palmas)
Psicólogo: Dani, muito bem, conte-nos a sua experiência de vida.
Pois bem...
Ontem a noite me arrumei horrores, coloquei uma mini-saia pra dar uma valorizada nas pernocas, e fui para o bar do clube com meu gêmeo mais lindo, gay, tudo de bom!
No caminho, encontramos duas amigas super MARAS e fomos todos juntos para o bar (que é atravessando a rua da minha casa praticamente).
Quando entrei, tava um super clima legal, cheio de gente conhecida! ( inclusive meu primo mais lindo e amado do mundo que quase nunca vai pra lá com a gente.)
Fiquei MEGA empolgada e dancei muuuuito, bebi a famosa caipirinha de limão, depois veio a cerveja, e nossa senhora do total flex viu, só por Deus mesmo!

Consequentemente além de MEGA empolgada, fiquei MEGA bêbada, e fui conversar com um amigo que eu vi só uma vez na vida lá no bar, e adivinhem?! DEU MERDA!
Lá estava eu batendo um papo que nem eu lembro mais qual foi, e eu só sei que o cara ficou conversando comigo e no final das contas me deixou ao relento, bêbada, abandonada, e perdidassa. (e eu crente que ia ficar com o cara)
Até que eu vi a luz! Minha amiga Thiessa apareceu para me salvar, e me oferecer carona com um amigo dela.

Por fim, terminamos a noite, os três MEGA bêbados, tentando ter um papo sério sobre relacionamentos.

Hoje acordei com o celular tocando e atendi meio tonta:
Alô???
ALÔ DANI É O CARLOS, VC TA BEM???
To sim Carlos!!! Pq querido?!?!
UÉ, PQ VC NÃO VEIO TRABALHAR, TÔ PREOCUPADO!
Nóóóóóssa Carlos!!! Perdi a hora!!! Daqui a pouco to chegando aí!

Cheguei pra trabalhar MEGA bêbada, com dor de cabeça, e mal estar.

Psicólogo: Obrigado Dani, muito comovente sua história.



Preguiça existencial



Falta de coragem de existir hoje. Apenas isso. Cheguei no trabalho 8h10 (hiper, ultra, mega, master, cedo !) porque moro na roça e aproveitei a carona do meu pai que desceu hoje cedo.
Chegando no jornal, uma preguiça ULTRA se apoderou de mim ao olhar a minha mesa e pensar que antes das 18h eu não saio daqui hoje (dado o volume de coisas que tenho para fazer) e lembrei do SONO que eu estou sentindo.
É absurdo! Não sei porque eu estou com tanto sono assim. (quero morrer e poder dormir pela eternidade).
Até do msn eu tirei minhas frases 'engraçadinhas' que provocam a Polícia, os defensores,o caralho a quatro e a puta que o pariu.
Quero só um minuto de sossego na minha cama. Sem hora pra acordar, sem gente gritando, sem vizinho acelerando fusca de madrugada, sem sonhos com perseguições e mega operações policiais, sem problemas resolvidos pelo meu subconsciente.
Pra terminar de cagar, minha câmera (que não é lá essas coisas, mas me acompanha há uns quatro anos) resolveu estragar.
Simplesmente não lê o cartão de memória e eu sou dependente de uma câmera e num tenho um puto de um real para comprar outra.
Como vou sobreviver?!
Sem falar que chegar às 8h no serviço não é vantagem nenhuma e quando o restante da 'equipe' começa a chegar às 15h, eu já estou pra lá da metade da minha jornada e com vontade de MATAR um!
Será que hoje eu chego no final do dia ou não?
Pra completar, amanhã é meu plantão e do jeito que eu sou cagada é capaz de num ter uma porra duma ocorrenciazinha policial !!!
Eu nem vou ficar menstruada e estou nesse humorzinho. Sem falar que pela minha falta de organização eu não consigo fazer 'metade' das coisas que gosto/preciso/pretendo e acabo me frustrando.
Aliás, vou encerrar este post ridículo e tentar encontrar uma matéria.

Beijoscomentemsempreamotodosvocês

quarta-feira, 1 de abril de 2009

MARAVILHOSAMENTE MARA!

Hoje acordei com o celular apitando, e quando fui ver, eram 12 mensagens de um cara gatíssimo da faculdade, várias coisinhas fofinhas e romântiquinhas. (ooowwwnnn)
Fui trabalhar saltitando, e quando cheguei, dei de cara com um buquê de rosas em cima da minha mesa, não podia ser verdade! O pessoal me olhou e disse: "Chegou pra vc bem cedinho".
Abri correndo o cartão que apenas dizia "Seu admirador secreto" com um telefone celular escrito em uma letra de forma torta.

O dia passou voando, e meu patrão me deixou sair mais cedo. Motivo?! "Você trabalha demais, vai descançar menina!"...
(Eu só podia estar sonhando!!! Alguém me biliscaaaaaaaa!!!)

A noite fui na faculdade, e devido a premiação que ganhamos, não tivemos nenhuma aula... foi ótimo!!! Ficamos todos no bar conversando e conhecendo gente nova.

Quando se mais nem menos, o carinha que eu sempre paquerei veio falar comigo, e me beijou no meio de toda aquela multidão (que óbvio, parou pra ficar assistindo de camarote).
Foi mega ótimo, maravilhoso, e hoje é 1º de abril. Mentiraaaadaaaa né?!

Ô INFERNO!!!


e lá se vai o meu castelinho de areia levando uma bicuda...

terça-feira, 31 de março de 2009

é Top !!!



Gentcê, como a Nath já postou meu dia de hoje (cheio de terno e gravata, estou muito feliz)
Vou colocar a foto do Topzinho que encontramos na balada. Eu nem lembrava que tinha tirado foto do boy com o celular. Por isso está esta escuridão, mas quem conhece sabe. É ele cinco anos mais novo !

Do mais, to tonta de cansaço e amanhã faço um post decente !

Beijosmeliguemsempreecomentem !

segunda-feira, 30 de março de 2009

' Bichas da classe Maysa Total Flex Hard Rock '


Começarei colocando uma conversa que acabei de ter no msn com uma amiga TOTALMENTE DIGNAAAA... que diga-se de passagem, é muuuuuuito surtada pra uma segunda a noite.

. Luengo, Dani . diz:
aaaaaahhhhhhhhhhhhhhhh...... vai dar merda
. Luengo, Dani . diz:
sinto isso!

Thi Torres diz:
sério mesmo... nem penso mais nisso...
Thi Torres diz:
daniiiiiiiiiiiiiiiiiii
Thi Torres diz:
para de ser pessimista...
Thi Torres diz:
ow se não quiser nenhum... mara tbbbbbbbbbbb

. Luengo, Dani . diz:
tô vendo o desfecho dessa história igual aquele dia...... acabou o show... ngm me deu moral.... e eu fui embora ALONE, fedendo horrores e bêbada
. Luengo, Dani . diz:
praticamente um fim de carreira de uma drag queen falida
. Luengo, Dani . diz:
ahuahhauauhahauhauhauhauha

Thi Torres diz:
hahahahahaha
Thi Torres diz:
ameiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii
Thi Torres diz:
hahahahahahaha
Thi Torres diz:
locaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
Thi Torres diz:
vc vai embora comigo...
Thi Torres diz:
não vai sozinha...
Thi Torres diz:
vamos as duas bichas doidas maysa pela rua...
Thi Torres diz:
hahahahahaha
. Luengo, Dani . diz:
ahhhh pra melhorar a situation.... vou com a minha amiga, tbm fedendo horrores, bêbada e reclamando da solidão..... duas bichonas mega carentes e descabeladas
. Luengo, Dani . diz:
hhahahahahaa
. Luengo, Dani . diz:
Maysas forever !

Thi Torres diz:
Maysas foreverrrrrr
Thi Torres diz:
amigaaaaaaaaaaaaa
Thi Torres diz:
agora somos desapegadas...
Thi Torres diz:
vamos nos jogar...
Thi Torres diz:
nem se for para arrumar um bofe para pagar a cerva
Thi Torres diz:
hahaha

. Luengo, Dani . diz:
issooooooooooo
. Luengo, Dani . diz:
aqueles bofões de 70 anos, doidos apenas pra receber um "olá" dos brotinhos
. Luengo, Dani . diz:
hahahahahahaha

Thi Torres diz:
ai para bichaaaaaaaaaaaaaa
Thi Torres diz:
se joga...
Thi Torres diz:
vai dar td certo...
Thi Torres diz:
se nada der certo... pelo menos depois a gente ri...
Thi Torres diz:
deixa acontecer naturalmente ( putzzzzzzzzzzzzz cai o nível... virei pagodera agora)
Thi Torres diz:
hahahah

. Luengo, Dani . diz:
sei siiim
. Luengo, Dani . diz:
PAGODEIRA NÃÃÃÃÃÃOOOOOOOOOOOOO!!!!!!!!!!!!!!!
. Luengo, Dani . diz:
SAI CAPETAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA
. Luengo, Dani . diz:
hahahahahaha
. Luengo, Dani . diz:
agora somos Bichas da classe Maysa Total Flex Hard Rock ok?!?!
. Luengo, Dani . diz:
hahahahahahahahahahahahaha
Luengo, Dani . diz:
Ebaaaaaa.... ADOROOOOOOOOOOOOOO!!!!
. Luengo, Dani . diz:
agora terei esse codinome bicha!!!!
. Luengo, Dani . diz:
hahahahahaha

Thi Torres diz:
eu tb crazyyyyyyyyyy
Thi Torres diz:
hahahahaha


THE END!!!

Chega de besteiras por hoje!
espero que risadas tenham rolado com este post.
E tenho dito.


domingo, 29 de março de 2009

Burguesinha e puta anã, manca !



Sexta-feira, SJ, puta anã e Divino viado
Nossa, tava me sentido mega excluída do blog pois faz anos que não posto...rsrs
então, bora comentar o fim de semana que todos já tem uma noção de como foi.
Primeiro, por que eu sou cu e morro de preguiça de sair de casa, então, não sei o que me deu que na sexta eu resolvi juntar o Rafa (coisa mais linda) e partir para uma balada.
Inicialmente, íamos num samba-rock do Bamboo com duas amiga, mas o paião não quis ir e então descemos pra SJ.
A parte boa foi que eu liguei pra Dany e nos encontramos.
A saudade continua ENORME, mas pelo menos deu pra gente rir e conversar, pena que nossa odisséia pelas baladas sanjoanentes foi fraca e terminamos no Divino, vai tomar no cu.
O ponto alto foi a história da puta que era anã e manca ! E claro, do Fefê reconhecendo o Márcio do puteiro !
Fomos enxotados do Divino, vai tomar no cu e partimos para beber num depósito (único estabelecimento aberto na cidade). Eu terminei sentada na beira da porta, comendo chocolate e rindo do povo comentar filmes pornô.
A parte legal é que sempre vou voltar para San Juan agora e principalmente porque vou ver meu amorzão, Dany, te amo, sua sensual !. Inclusive, faltou muito você na nossa balada no PUB, porque você estaria colada no teto do lugar até agora.

Topzinho, burguesinha e quadrod e R$ 500

Simplesmete não tem base a menina que eu acabei de conhecer (e amei) comprar um quadro de R$ 500 ( R$ 300 no cartão e R$ 200 no cheque). Juro para a Jura (lindona), que não existe comprar um quadro na balada !!!
Mas, existe menos ainda encontar um segurança da porta que tem a cara de um peguete meu e ainda se acha o própria. Mas, o que não existe MESMO, é derrubar o banco do bar logo quando se chega e ainda nem bebeu e ver a Jura passando mal, sentadinha com o copinho de vodca com energético na mão !
O ponto alto foi encontrar o Topzinho, todo alto, de calça cargo e pintadeputanacara no meio da balada.
Imagina como eu surtei?!
Pirei no cara, que tava com a namorada mais do que a tiracolo, estava com ela no colo !
Mas, como eu e a Nath (amooo tanto) somos irresistíveis, ficamos provocando o boy e chamando ele, que ria (mais igual ao TOP original ainda....aiaiaiaia), até que ele resolveu dar um perdido na namorada e nos encontrar no hall do banheiro.
Mais lindo ainda de perto...mas, cabação..chama Cledererson (ou sei lá que porra) e eu desencanei..mas num deixei de gritar Topzinho o tempo todo e agarrar a Nath (lesbicamente), provocando ele...rsrsrs
Por fim o cara foi embora, não se aguentando mais e eu num consegui entrar no banheiro quando ele tava mijando com a porta aberta e a Nath empurrou e falou 'oi Topzinho' e eu entrei e repeti o mesmo, pegando o bofe com o pau na mão !
Depois, vimos uma irmã da Flavinha, separada da maternidade e eu com 9842485879 vodcas com energético na cabeça, olhava pra menina e passava mal de tanto rir.
Por fim, terminei discutindo jornalismo com o Juliano e ele pedindo um selinho pra Jura.
Quando fomos embora, surtei e quis ligar pro Dalton Vigh. 05h da matina?
Deus do céu hein !
Depois de ter atormentado a banda pra eles tocarem Burguesinha (melhor que Porto Seguro, Bahia) MUITO LEGAL, né Nath?
cheguei em casa e morri. Acordei 08h com mais vodca do que sangue no corpo, vomitando até as tripas.
Começava a falar com a Nath e corria pra vomitar, até que resolvi levantar (dormi 2h ao todo) e tomar um super banho, depois almoçar.
Nada como o chazinho de boldo da mamys para sarar o bodo !!!

Depois do almoço entrei no msn e meu peguete off me deixando mensagens.
Tivemos uma conversa super gostosa, o que me fez ficar ainda mais fissuarada no boy, que beija mal ma tem A PEGADA !!!
E eu confirmo: jogo num time, digamos...Civil !
hahhahaha

Nota: o lenço ao melhor estilo Glorinha Kalil num PUB irlandês da Marian Keyes era do Mário Silveira, agente civil (tiraaaaaa) em SP, meu tio ! hauhauahuuahauahuahauhaua

Vai no cabeleireiro (cantando pra Jura enquanto ela tava com o Rei Momo)
No esteticista
Malha o dia inteiro
Pinta de artista

Saca dinheiro
Vai de motorista
Com seu carro esporte
Vai zoar na pista

Final de semana
Na casa de praia
Só gastando grana
Na maior gandaia


Vai pra balada
Dança bate estaca
Com a sua tribo
Até de madrugada

Burguesinha, burguesinha
Burguesinha, burguesinha
Burguesinha
Só no filé
Burguesinha, burguesinha
Burguesinha, burguesinha
Burguesinha
Tem o que quer
Burguesinha, burguesinha
Burguesinha, burguesinha
Burguesinha
Do croassaint
Burguesinha, burguesinha
Burguesinha, burguesinha
Burguesinha
Suquinho de maçã



Beijosmeliguemsemprecomentem !

O mundo é um puteiro gigante !

E depois de ler aquele post abaixo, maravilhoso, sobre Nath e Jeh terem ido ao PUB mais foda de Poços (que eu sempre quis ir, e sempre ouço falar), cá estou para contar sobre o meu sábado tão 'simples' perto do que acabei de ler.

Bom... tudo começou com um telefonema as 15hs da minha amiga Thiessa, me chamando para ir ao Tekinfin tomar um chopp com ela e um amigo. Eu definitivamente estava muito afim de ir, e disse que tomaria um banho e correria pra lá. Mas, caros amigos, ao contrário dos meus desejos, olhei a chuva da janela, deitei no sofá e dormir até as 18hs, que foi quando acordei com o celular tocando loucamente, era ela! (PUTA MERDA!!! ESQUECI DO TEKINFIN!!!)

Atendi mega sem graça, e ela disse que sairiam de lá e passariam em casa pra fazermos algo. Então eu corri e fui arrumar o que restava desse trapo humano que vos fala.

Demorou aproximadamente umas 2 horas pra eles chegarem, e enquanto isso eu devorei um super pão de queijo pra matar a fome, que nem era tanta assim.
Quando desci a Thiessa disse "Vamos prum churrasco agora."
Então ta bom né? Nem tive tempo de pensar, porque também, já tinha dado canos o suficiente neles aquele dia.

Quando chegamos no churrasco, eu quase morri com a minha bota cano alto, jeans, blusa preta velha e uma bolsa mais velha ainda. (CARA! O POVO TAVA ARRUMADINHO! E O PIOR... EU NÃO CONHECIA METADE ! Ao menos o dono da casa e umas três pessoas, ainda bem!)
Resumindo.... foi divertido, gostei.

Gostei das companhias, e, particulamente uma me deixou um pouco nervosa. Não nervosa no sentido ruim... mas desconcertada eu diria.
Não sei se sou muito complicada, ou se as pessoas é que complicam demais as coisas.
Na verdade acho que eu sou grande parte dos meus próprios problemas relacionados a desejos e vontades... Acho os desejos mais fortes, as vontades nem tanto.

Melhor não ficar tentando entrar muito no assunto, porque pretendo melhorar esse meu bloqueio com a classe masculina. Juro! Morro com esses bloqueios! Não sei o que falar, o que fazer, como agir, e muitas vezes para fugir, saio pela tangente... e depois fico repitindo pra mim mesma como eu sou uma anta.

Ainda tenho muitas barreiras pra tentar quebrar


"Just because i´m loosing, doesn´t mean i´m lost... doesn´t mean i´ll stop..."




sábado, 28 de março de 2009

Puta, anã, e manca!


Como é maravilhoso receber uma surpresa tão boa !
Ontem fui ao Teatro Municipal assistir "A era de ouro do rádio" (diga-se de passagem, FANTÁSTICO), quando na saída, recebi uma mensagem da amiga que eu mais estava sentindo saudade, a mais MARA, aquela que eu só precisei ver uma vez na vida, pra me apaixonar e ver que foi amor à primeira vista: Jéssica Balbino. (uiii)
Por fim nos encontramos em uma pizzaria (onde eu comi praticamente meia pizza sozinha - o que é péééssimo), demos risada, falamos merda, e eu ainda não matei a saudade absurda que estava dela.

Fomos em um lugarzinho 'muxiba', onde os garçons eram extremanente mal educados, e depois de ouvir histórias cabulosas (como a de um cara que foi ao puteiro e viu uma puta anã e manca ainda por cima), saímos de la em grande estilo gritando "Ei Divino, vai tomar no cu", assim seguimos com altas risadas, parando o carro na vaga do ônibus na rodoviária, e assim por diante.

A única coisa deprimente foi eu estar quebradassa por não ter dormido noite passada.
Mas enfim... valeu ter visto a minha amiga MARAVILHOSA!
Volto a repitir.... AINDA NÃO PASSOU A SAUDADE JEHHHHHHHHH!!!!!

TCHAMOOOOO!!!!!!!!


Amigos são poucos, mas preciosos... GUARDE-OS nos confins do seu coração e jamais deixe-os em uma das curvas da vida.

Quando ficar velho, você vai precisar daqueles que estiveram com você no passado.

;)

sexta-feira, 27 de março de 2009

masturbação mental




Será mesmo que a internet, como um todo, é uma masturbação mental?
e este blog estaria incluído. E esta imagem acima, que um mocinho que eu conheci no bate-papo do uol (na época da Jane), que eu nem lembro mais o nome, fez inspirado em mim (beeeem mais magra), quando eu tinha 14 anos e andava de patins !!!
Por falar nisso, hoje li Marcelo Rubeus Paiva (morro de tesão com ele) o dia todo e no livro, lembrei que tenho um estilo parecido de escrever e mais, fiquei o dia TODO pensando no meu primeiro namorado, Tiago !
Crescemos juntos, me apaixonei quando ele perdeu um 'recreio' ao meu lado e eu não podia andar (tinha operado os pés).
Era uma paixão louca, amor e ódio. Pensava que era meu grande amor. Acho que ainda é.
Ele me ligava todos os dias. Põe na Globo. O que vai acontecer agora na novela? Vamos apostar? Te ligo no próximo intervalo, ele dizia.
Mexia comigo como ninguém nunca mais fez. No sonho eu estava abraçando ele. Me lembro de cada abraço (ai que saudade). O abraço dele me dá tesão. Um abraço apertado, de quem te quer mais.
Me lembro do nosso primeiro beijo, a primeira transa. Matávamos aula para nos pegar dentro e fora da escola. Dividíamos segredo. Hoje ele sumiu.
Deve ter uns cinco anos que não o vejo. Da última vez ele estava todo vestido de jeans. Veio me visitar. Eu , de pijamas, estudava para uma prova de exame de Economia.
Ele me disse: 'meu pai queria que eu fizesse jornalismo'. Pensei mil coisas. Ele prestando vestibular. ' te dou todas minhas apostilas, te ensino tudo'. Eu dando trote nele. A gente ficando no primeiro dia de aula. Finalmente íamos nos casar. Vamos beber, vamos juntos na van, vamos ficar pra sempre. Ele foi embora com a mãe dele e eu nunca mais vi.
A última notícia é de que ele se casaria e até hoje eu sonho que estou abraçando ele. Lembro da gente caindo (agarrados) na sala da supervisora da escola numa manhã fria do mês de agosto e sinto uma saudade gostosa.
Olho as fotos e ainda me reconheço, olhando pra ele, no deck de um barco e querendo combinar uma transa pra mais tarde !
E o que ficou? talvez a pureza do primeiro amor !!!!

bjux
ouvindo Como eu quero (com o Leoni, em ritmo de briga, lembrando de quando a gente cantava um pro outro, aos berros, na casa dele ou na minha)

Diz prá eu ficar muda
Faz cara de mistérioT
ira essa bermuda
Que eu quero você sério...

Tramas do sucesso
Mundo particular
Solos de guitarra
Não vão me conquistar...

Uh! eu quero você
Como eu quero!
Uh! eu quero você
Como eu quero!...(x2)


O que você precisa
É de um retoque total
Vou transformar o seu rascunho
Em arte final...

Agora não tem jeito
Cê tá numa cilada
Cada um por si
Você por mim e mais nada...

Uh! eu quero você
Como eu quero!
Uh! eu quero você
Como eu quero!...


Longe do meu domínio
Cê vai de mal a pior
Vem que eu te ensino
Como ser bem melhor...

Longe do meu domínio
Cê vai de mal a pior
Vem que eu te ensino
Como ser bem melhor...
(Bem melhor!)...


Uh! eu quero você
Como eu quero!
Uh! eu quero você
Como eu quero!...(2x)

Uh! eu quero você
Como eu quero!
Uuuuuuuuuuhhh!
Uuuuuuuuuuhhh!...


E eu ainda me pergunto. Se eu o encontrasse hoje, o que faria?
com certeza, pediria um abraço e deixaria o resto na memória !
E se eu encontrar o Marcelo Rubens Paiva, recitarei um capítulo inteiro do livro, para 'provar' o quanto ele me instiga !
(como eu to biscate hoje)

Engano


Hoje meu celular tocou logo cedo, e eu pensei, quem seria me ligando à uma hora dessas.
Atendi:

“Alô?”

“Por gentileza, com quem falo?” ( Pronto. Só podia ser tele marketing da operadora de celular, ninguéééém merece)

“Danielly.”

“Senhorita Danielly, estou ligando para falar sobre o seguro do Senhor Marcos Arriberti.” (puuuta merda, enganou-se moço da voz bonita)

“Não sei quem é não.”

“Ah. A Senhorita não conhece nenhum Marcos?”

“Não não, esse telefone é meu.”

“Deve ter sido algum engano então.”

“Com certeza foi.” (risos)

“Desculpe.” (Puuuuutzzzz grila! Que voz era aquela MARAVILHOSA!?!)

E o maledeto ainda deu uma risadinha antes de desligar.

Aí eu fiquei me perguntando, se o dono daquela voz era tão lindo quanto ela, ou se era feio de doer. Coisas que não da pra se ver do outro lado da linha. (Ai, depressão não hein!)
E então eu fiquei imaginando com quantas pessoas agente fala por aí e nunca vai chegar a vê-las (porque, cá entre nós, as chances são mínimas).

Ô doida!
E depois ainda duvidam que este blog vai virar Best Seller.


hahahahahahahaha